Feeds:
Posts
Comentários

Archive for the ‘Cinema’ Category

Você está convidado(a) para a cabine do novo filme da Walt Disney Studios Motion Pictures

ALICE NO PAÍS DAS MARAVILHAS (ALICE IN WONDERLAND)/3D – LEGENDADO

De Tim Burton

Com Johnny Depp, Anne Hathaway, Helena Bonham Carter, Crispin Glover e Mia Wasikowska, como Alice

Dia: 26/3 (Sexta-feira) – 10h30

Local: Cinemark Botafogo – Praia de Botafogo, 400 – Botafogo

Estreia: 21/04

Trailer: http://www.youtube.com/watch?v=LjMkNrX60mA

Materiais de divulgação no www.image.net

Da Walt Disney Pictures e do visionário diretor Tim Burton chega o épico de aventura e fantasia em 3D − ALICE NO PAÍS DAS MARAVILHAS −, uma abordagem mágica e criativa de uma das mais adoradas histórias de todos os tempos. JOHNNY DEPP estrela como o Chapeleiro Maluco e MIA WASIKOWSKA como Alice, de 19 anos, que retorna ao mundo mágico que ela encontrou pela primeira vez quando criança e volta a se reunir com seus amigos de infância: o Coelho Branco, Tweedle-Dee e Tweedle-Dum, o Dormouse, a Lagarta, o Gato Risonho e, é claro, o Chapeleiro Maluco. Alice embarca em uma jornada fantástica para encontrar seu verdadeiro destino e acabar com o reino de terror da Rainha Vermelha. O elenco estelar também inclui ANNE HATHAWAY, HELENA BONHAM CARTER e CRISPIN GLOVER.

Capturando os maravilhosos e adorados contos de Lewis Carroll Alice no País das Maravilhas (1865) e Alice do Outro Lado do Espelho (1871) com imagens deslumbrantes e inovadoras e com os personagens mais carismáticos da história da literatura, ALICE NO PAÍS DAS MARAVILHAS chega aos cinemas em Disney Digital 3D™ no dia 21 de abril de 2010.

.

.

Anúncios

Read Full Post »

Sou uma apaixonada por cinema.

Acho que iniciei esse prazer com mais afinco no início de 1997, quando uma cirurgia ‘tentou’ me deixar de cama. Digo tentou porque me lembro bem, uma semana após a intervenção e ainda com a indicação de repouso absoluto, fui ao cinema assistir Titanic (Idem, 1997). Claro, era adolescente e Leonardo Di Caprio era meu sonho de consumo. Para passar o tempo estirada na cama, aluguei uma dúzia de filmes e acredito que a partir daí, meu interesse pela sétima arte se aprimorou. Ainda não conhecia grandes diretores e buscava na locadora filmes com artistas famosos. Mas naquela vez foi diferente. Minha listinha incluía clássicos do cinema como O bebê de Rosemary, Laranja Mecânica e Cabo do Medo. Fiquei fascinada e a partir daí, minha busca cinematográfica amadureceu.

Para recuperar o tempo perdido, ia à Show Video e me deliciava com aquelas enciclopédias que listavam filmes por diretor, ator e gênero. Foi quando descobri que Kubrick é o meu diretor preferido, que Keanu Reeves é um péssimo ator e que Jack Nicholson possui o sorriso mais marcante e enigmático da telona.

Tempo bom em que ainda não tinha visto todos os filmes do Almodovar, que Woody Allen ainda era uma novidade intrigante e que os filmes orientais começavam a me mostrar a beleza de planos sequência (viu como aprendi, tati? rs). Devorei tudo que me interessava, mergulhei de cabeça nos suspenses e ainda tinha muito preconceito com comédias e filmes de guerra.

Hoje fico desejando não ter visto determinado filme só para sentir toda a emoção da descoberta novamente. Por isso, quando assisto a alguma coisa atual e que me emociona verdadeiramente, tenho sensações orgásticas. Foi assim neste domingo, ao assistir Ilha do Medo (Shutter Island, 2010), novo do Scorcese, com Leonardo Di Caprio. Um suspense de tirar o fôlego ambientado numa ilha na década de 50, que funcionava como um sanatório para presos perigosos.

Aliás, grandes filmes abordam a loucura humana de forma mais que imperdível: o meu preferido é Um Estranho no Ninho (One Flew Over the Cuckoo’s Nest, 1975), com um Jack Nicholson estupendo e direção do maravilhoso Milos Forman, o delicioso Garota Interrompida (Girl, interrupted, 1999) com Angelina Jolie e Winona Rider e o brasileiríssimo Bicho de Sete Cabeças (idem, 2001), com a gostosura do Rodrigo Santoro são os que me lembro no momento, mas tenho certeza que todo mundo vai lembrar de algum filme inesquecível que se passa dentro de um hospital psiquiátrico.

Mas voltemos à Ilha do Medo. Clima de filme noir, trilha sonora amedrontadora, locação incrível e suspense daqueles que aparecem a cada dois anos na telona. Não posso dizer mais nada, para não criar expectativas e estragar a surpresa. Assistam! E depois me contem o que acharam….

Para finalizar, fica a dica para quem ainda não se apaixonou pela sétima arte de forma profunda e curiosa (existe alguém? rs). Fiquem sempre atentos ao nome do diretor e roteirista ao assistir um bom filme e depois, google nos nomes. Você dificilmente vai se decepcionar. Fazendo uma analogia chula, o diretor, para mim, é o olho, o roteirista o cérebro e os atores o coração de um bom filme!

E se ainda têm alguma dúvida a respeito de destinar 2h e meia do seu precioso tempo para se jogar numa sala refrigerada e assistir à Ilha do Medo, aí vai a listinha dos filmes que o Scorcese já fez e que eu já vi e recomendo. Tenho certeza que ao menos algum deles você já viu e se apaixonou. E se ainda não viu algum desses, corra para a locadora ou para a sua banda larga mais próxima e bom divertimento!

The Rolling Stones Shine A Light (Idem, 2008). Um show dos Stones já é delírio puro. Com a câmera do Scorcese se torna imperdível.

Os Infiltrados (The Departed, 2006). Finalmente um Oscar para esse diretor que tanto fez pelo cinema. Jack Nicholson, Leo di Caprio e Matt Damon. Precisa falar mais?

No Direction Home (Idem, 2005). Vale pela curiosa forma de apresentar o Bob Dylan na pele de vários atores diferentes e talentosos.

O Aviador (The Aviator, 2004). História real de um milionário apaixonado por cinema e por aviões, com a diva Cate Blanchett e Leo Di Caprio.

Gangues de Nova York (Gangs of New York, 2002). Mais uma dobradinha de Scorcese com Di Caprio. Prá assistir e correr prá Nova York.

Cabo do Medo (Cape Fear, 1991). A linda Juliette Lewis ainda adolescente e um amedrontador Robert de Niro fazem desse suspense um clássico do cinema.

Os Bons Companheiros (GoodFellas, 1990). Filme de máfia com um fim inesquecível e De Niro mais uma vez roubando a cena.

A Última Tentação de Cristo (The Last Temptation of Christ, 1988). Filme polêmico, que mostra um Jesus Cristo mais humanizado e pecador.

Touro Indomável (Raging Bull, 1980). Mais uma vez, De Niro estupendo. Detalhe para a cena antológica de sua conversa no espelho, em que fiquei sabendo a pouco tempo que o diretor não deu nenhum script ao ator. Atuação de primeira.

Taxi Driver (Idem, 1976). Fica a dica: De Niro + Scorcese = perfeição cinematográfica. Ainda tem uma Jodie Foster novinha e linda.

Read Full Post »

Tô louca pra ver!

.

(Release) “Filhos de João, O Admirável Mundo Novo Baiano” é um documentário sobre o grupo Novos Baianos e mostra um recorte entre os anos 60 e 70 no Brasil da ditadura militar e a influência decisiva de João Gilberto na vida e carreira da banda – daí o nome “Filhos de João”.

Mostra, com muito bom humor, a rica musicalidade da banda, sua paixão pelo futebol e carnaval baiano, além de detalhes da vida alternativa no sítio “Cantinho do Vovô”.

Com depoimentos de Moraes Moreira, Galvão, Paulinho Boca, Gatto Félix, Charles Negrita, Bola Moraes, Dadi e os irmãos Jorginho e Pepeu Gomes, o doc é dirigido por Henrique Dantas e foi construído ao longo de 11 anos. Aborda ainda a cultura e a contracultura da época, o tropicalismo e as utopias desse grupo que marcou gerações.

Segundo vários críticos “Acabou Chorare” foi eleito o álbum mais importante da história da música brasileira. Além dos depoimentos dos ex-integrantes, as ricas e divertidas declarações de pessoas ligadas à banda – como Tom Zé, Orlando Senna, Solano Ribeiro, Rogério Duarte, Mário Luiz Thompson de Carvalho, Joildo Góes e Nonato Freire.

.

.

Besta é tu, besta é tu!

😉

Read Full Post »

Hoje é o dia internacional da EX-mulher do James Cameron. ahahaha

Kathryn Bigelow bombou!

Parabéns pra ela e que mais mulheres se arrisquem na direção!

.

.

.

A propósito, alguém tem algo a comentar sobre o Oscar?

Beijos cinematográficos!

Read Full Post »

Bom dia! Momento CARAS no Mona esta manhã.

Me desculpem, mas eu não resisti em colocar essas fotos aqui. Não sei se vocês já viram…

Penélope Cruz e Javier Bardem de sacanagem em Fernando de Noronha.

Foi o segundo Réveillon deles na ilha, por isso essa intimidade toda. 😉

mordendo a boca: ui! minha carne até ficou trêmula... rs

Só pra lembrar que todo mundo, até os famosos do cinema e da beleza, fazem sacanagem, merda, usam biquinis breguinhas, curtem uma prainha com a família, anfam… conclusão matutina: a gente só tem uma profissão diferente. E o meu Javier é mais cabeludinho… hehe

Besos!

Read Full Post »

julie and julia

Esse final de semana vi o filme Julie and Julia. Gente, é muito bom!

Acho que todo mundo já ouviu falar do filme, né? Só para situar: é uma história que conta a vida de duas mulheres: Julia Child, que é um autora de livros de culinária e apresentadora de televisão americana da década de 60/70, representada pela Meryl Streep (ela é maravilhosa, que atriz!); e Julie Powel, que é uma moradora de NY nos dia atuais e se propõe a um desafio divulgado através de seu blog: fazer as 524 receitas do livro da Julia em 365 dias.

O filme consegue intercalar a história das duas mulheres de uma forma gostosa, vai nos dando a chance de conhecer não apenas aquelas que fizeram da cozinha o ponto alto de suas vidas, mas as mulheres que ao mesmo tempo em que descobriam os segredos da culinária, descobriam a si mesmas.

Acho que toda mulher em algum momento vai se identificar com uma das duas, eu me identifiquei muito, não só por ter o mesmo nome. rsrs

Em alguns momentos me vi na pele da Julia Child, por sua persistência e a vozinha fina estridente. Também por que ela tem um casamento lindo com um marido super apaixonado! 🙂

Em outros, me achei igual a Julie Powel, em seus experimentos na cozinha, alguns não muito bem sucedidos (rs), seus momentos de desespero e chiliques femininos;  ela também tem um marido lindo que lhe dá o maior apoio. 🙂

Foi um ótimo programa para o final de semana, recomendo muito!

.

Read Full Post »

“a moda passa, o estilo permanece”

Coco ChanelCom estilo e elegância, Gabrielle “Coco” Chanel revolucionou a década de 20, libertando a mulher dos trajes desconfortáveis e rígidos do final do século 19. Sem saber, ela reproduziu na moda a sua própria imagem: a de mulher independente, bem-sucedida, com personalidade e estilo. Monas, tem tudo a ver com a gente! rs

Aquela bolsa com alças de corrente dourada, o colar de pérolas, o tailleur e o vestido preto são símbolos de elegância e marcaram para sempre a história da moda. Mas foi o seu perfume, o Chanel nº 5 – tido como o mais vendido no mundo -, que a tornou milionária.

Agora chega dessas informaçõeszinhas que eu achei na Internet e vamos ao que interessa! (Ai, essa minha mania de jornalista…)

Chega esta semana aos cinemas de todo o Brasil o filme sobre a vida da Coco Chanel. O roteiro é baseado em uma biografia escrita pelo francês Edmonde Charles-Roux que aqui tem o título de “A Era Chanel”.

Coco Avant Chanel (Coco Antes de Chanel) foi dirigido por Anne Fontaine e é liiiindo. Primeiro ele mostra a infância de Coco e sua irmã num orfanato, passando pelas tímidas apresentações como cantora em cabarés no interior da França, e seus primeiros casinhos de amor. Quando Coco finalmente começa a carreira… ah, vocês vão ver…

Mas eu achei que “essa transformação” dela foi pouco mostrada no filme. O seu envolvimento com os nazistas durante a Segunda Guerra também nem apareceu… Eu é que esperava essas coisas, digamos, mais polêmicas, mas o filme quer mostrar “como tudo começou”. Na verdade, a história dela, como várias outras, é muito longa para ser contada em apenas um filme.

Pra mim a Coco era uma jogadora de primeira, ela é uma player de vanguarda! Aquele corte de cabelo, as calças, as frases memoráveis… Ela também teve a sorte de encontrar amantes elegantes – é sério! -, que fizeram ela prestar atenção nas roupas masculinas. O chapéuzinho que ela usa no filme é demais! (Gabi e Ju, é a cara de vocês!)

poster-filme-coco-chanel

a fofíssima Audrey Tatou, mais conhecida como Amélie Poulain, é Coco no filme

coco-avant-chanel1

esse cartaz foi proibido porque foi considerado publicidade indireta do tabaco. ai ai..

Assista ao trailer!

Read Full Post »

Older Posts »